Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu País

O Meu País

Andam Lobos Por Aí

Cientificamente o cão descende do lobo; melhor, o cão foi criado geneticamente a partir do lobo – e da loba, claro – numa multiplicidade de raças que dá para satisfazer todos os gostos do homem (e da mulher), conforme o feitio de cada um e a personalidade de cada qual.

Por outro lado, o homem, dizem os livros, descende do macaco; não tendo sido criado geneticamente mas evoluído a partir do dito cujo, ficando com as costas mais direitas, menos cabeludo e cada vez mais alto.

Vivendo o lobo em alcateia e caçando em conjunto por razões de sobrevivência, os seus derivados genéticos, embora mantendo o mesmo instinto na sua essência, cedo se habituaram ao estilo de vida dos humanos, preferindo a comodidade e conforto da sua companhia à insegurança alimentar e instabilidade física daqueles que lhes deram origem: uma coisa é ser lobo a outra é vestir-lhe a pele!

Vivendo os homens em sociedade (imaginada?), cedo também estes se habituaram à dedicação e fidelidade dos cães, tanto de miniaturas em forma de brinquedo como de gigantes em forma de lobos à moda antiga: uma coisa é ser homem a outra é perceber a sua essência.

Quanto aos macacos, gorilas, chimpanzés e associados, continuam a viver na selva, como castigo por não terem sabido evoluir ou, no mínimo, como penitência pela curvatura da coluna vertebral que teimaram em manter. Não querendo misturas nem com os lobos nem com os cães, aproximam-se por vezes dos homens numa atitude de complacência pelo estado a que estes chegaram quando decidiram desagrafar-se da genética e comum origem: uma coisa é ser macaco a outra é fazer macaquices.

Tanto os lobos como os cães marcam e delimitam o seu território através de fluidos corporais – mijam no chão ou sobre objectos que demarcam os seus domínios. Já quanto aos macacos estas fronteiras (as dos macacos, não as dos lobos) são definidas através de gritos fortes, dominantes, estridentes e dominadores; e nisto parecem-se um bocadinho com aqueles que abandonaram a raça.

Os humanos, para se distinguirem e diferenciarem o seu território, fizeram tudo de maneira diferente: pregaram marcos no chão, desenharam riscos nos mapas, construíram muros, dividiram rios, seccionaram ilhas e até inventaram deuses para lhes servir de patrono; enfim, tudo ao contrário dos outros animais, sem mijar e sem gritar mas com muita merda à mistura!

Olhando para trás, mesmo sem ver a origem, fácil é a conclusão: Os lobos continuam tal como sempre foram, os macacos tal e qual e os cães conforme o trato e o meio em que vivem. Quanto aos humanos, os tais que desalinharam dos símios por evolução (?!), “Andam Lobos Por Aí”.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D