Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Meu País

O Meu País

O Costa, o Rapaz e o Burro

OVRB

Não é que o Costa seja velho, mesmo sendo mais velho do que o rapaz, nem que o rapaz seja um miúdo, mesmo parecendo um menino grande.

Até ao dia quatro de Outubro do ano da graça do senhor de dois mil e quinze, ou mais ou menos, o Costa (O Velho) era acusado à esquerda e à direita de contribuir (em proporção igual à do partido que dirige), para a situação “pessimamente má” que o país atravessa e pediam inovação (soluções novas) para equilibrar a carga do Burro (o Burro é o povo Português, onde me incluo, obviamente): uns porque sim, outros porque sim e os restantes porque também.

Recordemo-nos (apenas os esquecidos, claro) de que quem mais ajudou o rapaz a tocar o Burro foram, precisamente, os “justiceiros” que se sentam à esquerda do "pai", os quais, ao que parece, aumentam a sua capacidade de influência na mesma proporcionalidade da carga e açoites que o Burro leva, seja quem for que bata no animal. O que “eles” querem é que o Burro seja cada vez mais burro (eles são todos eles e não apenas eles) para aparecerem, cada vez mais, como protectores dos animais.

Por outro lado, ao rapaz e ao seu grupo do berlinde, tanto se lhes dá como se lhes deu, quanto a quem os ajudou a sentar o traseiro no lombo da besta (a besta também somos nós, eu pelo menos) que querem continuar a montar nem que, desta vez, tenham de ir ao beija-mão daquele que parece ser, por agora, o tratador do bicho.

Portanto, o Costa das não medidas e das não propostas, a partir do momento em que as quantificou e exemplificou, logo ouviu ralhar dos mesmos sábios que, à beira do caminho, tanto insultam o Velho (o velho é outra vez o Costa) por ir descalço como o desdenham por calçar botas da tropa. Tal como o imberbe de calções de meia perna que, ainda montado no jumento, já está com inveja da ração que o Velho lhe quer dar.

Fazendo ou deixando por fazer, tombando para um lado ou tombando para o outro, usando GPS, bússola ou carta topográfica, o Costa tanto é “preso por ter cão, como por não ter” (mesmo tratando-se de um burro neste contexto), e se não tem, tivesse: À esquerda é de menos e à direita é de mais: devem ir todos a pé (desde que tenham transporte) e devem ir todos montados (desde que o façam a pé), porque o Burro até já tem um "santo" protector.

Por sua vez, para os inteligentes e sábios que sabem muito (alguns chamam-lhes mesmo comentadores), nem os dois a pé nem os dois em cima da besta porque o Burro já é velho, o velho já não é novo e o rapaz ainda não é homem mas já está espigado em envergadura suficiente que chegue para enfim e tal e por aquilo que se pode concluir e depois a Europa e o Euro e o Tratado enfim essas coisas e é só fazer as contas (esta das contas foi um bocadinho mazinha).

Tal como a conclusão a que o Velho (o verdadeiro) chegou, “a cada cabeça sua sentença”; ao Costa (o outro Velho) só lhe resta encontrar nos livros da sabedoria de uma biblioteca rica em conhecimento estratégico, táctico e político, as especiarias que o protejam da chuva de setas anunciadas...

...Sejam quem forem os índios!

António J. Branco, In, Crónicas do Meu País

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D